A história do nariz de David (Michelangelo)

Florença, ano 1504. Estamos na idade da Renascença. Michelangelo Buonarroti tem 29 anos e está terminando uma obra de arte: a escultura em mármore, alta mais que 4 metros, que retrata o eroi biblico David logo após ter ganhado contra o gigante Golia.

Esta obra será escolhida e proclamada como simbolo da cidade, a Repubblica de Florença.
David terá um grandissimo sucesso popular, as pessoas iriam a admira-lo na praça principal, orgulhando-se de morar em um lugar assim: pequeno (comparando os estados vizinhos de Florença) mas corajoso e vitorioso.

davidMas antes que a obra fosse terminada e colocada em Praça da Signoria, a história conta que um famoso politico da cidade, o Gonfaloniere da Republica Piero Soderini, visitou Michelangelo para controlar o andamento da encomenda.

Soderini, que tinha também o cargo de “Protetor das Artes”, observou o David e fiz uma observação critica a Michelangelo. Ele falou que o nariz da estatua era demais grande. Se o artista podia reduzi-lo um pouco, a obra seria perfeita e mais linda, ele destacou.

Soderini tinha coragem em dizer isso a Michelangelo! Em outras ocasiões o génio Toscano respondia as criticas com gritos e violências: seu temperamento muito briguento era famoso. Por exemplo, seu nariz ficou quebrado e deformado para um soco de uma amigo artista e critico, em uma briga na praça principal de Florença.

Mas, estranho: Michelangelo escolheu, naquele momento, a arte da diplomacia. E mesmo com um politico.

Antes  de subir na escada, pegando o cinzel, pegou escondido também um pouco de pó e pedacinhos de mármore na mão. Subi na escada, ao lado da obra, e fingiu de reduzir o nariz da estátua, quando aos poucos soltava o pó da mão, sem deixar perceber isso da seu observador. Concluído o “reparo”, perguntou ao admirador o que achava do resultado. O Gonfaloniere, satisfeito, respondeu que sim: agora o David era perfeito.


Que sorte que Michelangelo, naquela ocasião, não se deixou guiar da o temperamento.
Mesmo. Eu vi a Capela Sistina, a Pietá em Roma, o Tondo Toni no Museu Uffizi. Maravilhosos.
Mas quando entrei na Museu da Academia em Florença (veja o vídeo) e vi aquela estatua gigante na frente, com sua simplicidade e forca, ela me emocionou mais do que as outras. É a melhor coisa a se ver em Florença e a obra original no Museu, acreditem, emana muita mais energia e maravilha que a copia, que está hoje na Praça da Signoria.

Se vocês passam da Florença, não podem perder de ver este gigante branco, seus detalhes nas veias, nos musculosos. É um simbolo de liberdade, do pequeno que ganha sobre o maior, o mais poderoso.
E com esta história do nariz…também sobre o politico.

Talvez por isso, penso que o Brasil e a Itália precisam hoje deste símbolo inspirador.


Nicola Di Grazia

Italiano, casado e pai de 2 filhos. Morou no Brasil por 11 anos. Como professor de Italiano, hoje dá aula online com Skype (user: fromlucca) pois é o pé firme na Itália de VaPensiero. Sua base è na maravilhosa Lucca.
  • Gostei das matérias.